Publicidade

Coluna Treinamento Desportivo: a creatina é um bom suplemento para os lutadores? Confira e opine

Artigo escrito por especialistas para a TATAME trata sobre a creatina como suplemento para os lutadores; confira e saiba mais

* As suplementações esportivas a base de creatina são uma das mais consumidos no mundo (HALL; TROJJAN, 2013). A creatina é produzida endogenamente (pelo organismo) no fígado, rins e em o menor grau, o pâncreas, com 1 grama por dia (DE SALLES PAINELLI et al., 2014). O restante é adquirido através do consumo alimentar (HAVENETIDIS, 2016) como carnes, peixes e outros produtos de origem animal (ANDRES et al., 2017).

Para conferir mais artigos em nosso site, clique aqui

A maior parte dessa creatina (95%) é armazenada dentro do músculo estriado esquelético de contração rápida (fibra do tipo II) (BUTTS; JACOBS; SILVIS, 2018). O acumulo de creatina no músculo aumenta pela combinação com a ingestão de carboidratos (GREENHAFF, 1997). Neste contexto, as pessoas que tiverem bons estoques de creatina (oriunda da alimentação) podem não receber os mesmos benefícios da suplementação (HALL; TROJJAN, 2013).

Historicamente, a creatina foi descoberta em 1832 pelo cientista francês Chevreul, que relatou a descoberta de um novo constituinte orgânico da carne, ao qual denominou de “creatina” (BALSOM; SODERLUND; EKBLOM, 1994). Seus efeitos sobre o desempenho esportivo e a composição corporal eram desconhecidos até o início da cada de 90 (noventa) (HARRIS; SODERLUND; HULTMAN, 1992).

A creatina é formada por três aminoácidos: arginina, glicina e metionina (BROSNAN; BROSNAN, 2016). A sua forma monohidratada é a mais comum e barata, com maior quantidade de evidências científicas, sendo um pó branco solúvel em água e composta por 88% de creatina e 12% de água (PERALTA; AMANCIO, 2002). A recomendação de consumo diário segundo a ANVISA ​é 1,5 a 3g de creatina ao dia (BRASIL, 2010), ou seja, deve ser consumido sábado e domingo independentemente do dia de treino.

Ela tem o efeito na melhoria da produção de energia, pois de acordo com Balsom, Soderlund e Ekblom (1994) a fonte de energia imediata para a contração do músculo é a Adenosina Trifosfato (ATP), durante a contração muscular o ATP é hidrolisado em Adenosina Difosfato (ADP), ou seja, a hidrólise faz com que o ATP perca 1 fosfato (é o mecanismo para o ATP liberar energia) e deve ser continuamente reabastecida. A enzima (proteína) ATPase é a responsável por hidrolisar o ATP (GAO; YANG, 2005).

Com o rápido aumento nas demandas de energia a creatina fosfato (sua forma fosforilada) é degradada pela enzima creatina quinase e o fosfato é doado ao ADP para regenerar o ATP (BALSOM; SODERLUND; EKBLOM, 1994; SAHLIN; HARRIS, 2011). Segundo De Moraes Bertuzzi e Souza (2009) a ressíntese de fosfato na creatina se dá pelo sistema oxidativo (aeróbio), pois a creatina é permeável as membranas das mitocôndrias e sob a influência da enzima creatina quinase ocorre uma cascata de reações que ressintetiza o fosfato na creatina.

Os homens são mais propensos a utilizar a creatina para fins de aumento de força, aumento da produção de energia e aumento da hipertrofia muscular (JAGIM et al., 2018). Na literatura científica, foi demonstrado melhoria no desempenho neuromuscular em exercícios intermitentes de curta duração, predominantemente anaeróbicos (COOPER et al., 2012). Entretanto, conforme a duração do exercício físico aumenta a contribuição da creatina tende a diminuir, nesse sentido, parece não melhorar o desempenho da corrida, ciclismo e natação de longa duração (BRANCH, 2003).

Já no contexto das modalidades esportivas de combate, existem lacunas a serem preenchidas. Um estudo recente com atletas profissionais do Taekwondo do sexo masculino mostrou que os atletas suplementados com creatina tiveram melhora no desempenho da potência pico e na potência média em uma série de chutes quando comparado ao grupo placebo e controle (SARSHIN et al., 2021). No mesmo estudo, a co-ingestão de bicarbonato de sódio e creatina aumentou ainda mais a potência média.

Em outro estudo realizado por Sterkowicz et al (2012) com judocas no Teste Especial de Judô Fitness (SJFT), não foi encontrado diferença da potência aeróbia, porém, as quantidades de quedas foram maiores nos suplementados com creatina. Já com atletas do Wrestling, não foram observadas melhoras na potência anaeróbia (AEDMA et al., 2015).

Todavia, estudos sofisticados devem ser feitos para o melhor entendimento dos possíveis benefícios em modalidades como: Karatê, Jiu-Jitsu, artes marciais mistas (MMA), Boxe, Kickboxing, Muay Thai, Esgrima, Kung-Fu, entre outras. Com testes específicos, como análise técnico e tático (gravações de combates simulados) e teste de fadiga neuromuscular, por exemplo: força de preensão manual, teste de wingate e salto com contra movimento antes e após o combate. É importante investigar também se a creatina pode ser um suplemento viável na recuperação pós-pesagem.

Em um estudo publicado recentemente, não foram observadas diferenças na frequência cardíaca e pressão arterial antes e após um combate simulado de Jiu-Jitsu com duração de sete minutos em indivíduos suplementados com creatina e maltodextrina (DUARTE et al., 2021). A não influência da creatina no sistema cardiovascular também é corroborado pelo estudo de Wiroth et al (2001) em idosos com média de idade de setenta anos, em que o grupo placebo e o grupo suplementado com creatina participaram de cinco sprints de dez segundos separados por intervalos de sessenta segundos de recuperação passiva sentados em um cicloergômetro, também não encontraram diferença significativa na frequência cardíaca entre os grupos.

Outro aspecto importante sobre a creatina é que ela pode melhorar a função cognitiva (VAN CUTSEM et al., 2020) e isso pode ser uma boa estratégia para proteger ou recuperar a lesão cerebral traumática leve (RICCI et al., 2020), algo comum em modalidades de combate.

A creatina pode aumentar a massa muscular, facilitando a perda de gordura corporal dos lutadores (RICCI et al., 2020). Essa estratégia é válida, pois segundo Perón et al (2009) a gordura corporal pode deixar os golpes lentos. Em contrapartida, ela pode causar retenção de líquido intramuscular (FRANCAUX; POORTMANS, 2006), isso pode aumentar o peso corporal e atrapalhar a perda de peso para se adequar as suas respectivas categorias. Como estratégia, é recomendado interromper o seu uso algumas semanas antes da pesagem (RICCI et al., 2020) caso o atleta esteja muito acima do peso de sua categoria.

Por fim, a suplementação de creatina é considerada segura (SILVA et al., 2019) e deve ser receitada pelo médico e/ou o nutricionista (CASSIANO et al., 2021). Para mais informações sobre a suplementação de creatina e suas respectivas dosagens, recomendamos a consulta com um nutricionista.

REFERÊNCIAS

AEDMA, Martin; TIMPMANN, Saima; LATT, Evelín; OOPIK, Vahur. Short-term creatine supplementation has no impact on upper-body anaerobic power in trained wrestlers. Journal of the International Society of Sports Nutrition, v. 12, n. 1, p. 1-9, 2015.

ANDRES, Susanne; ZEIRGENHAGEN, Rainer; TREFFLICH, Iris; PEVNY, Sophie; SCHULTRICH, Katharina; BRAUN, Hans; SCHANZER, Wilhelm; HIRSCHI-ERNST, Karen Ildico; SCHAFER, Bernd; LAMPEN, Alfonso. Creatine and creatine forms intended for sports nutrition. Molecular nutrition & food research, v. 61, n. 6, p. 1-18, 2017.

BALSOM, Paul D; SÖDERLUND, Karin; EKBLOM, Björn. Creatine in humans with special reference to creatine supplementation. Sports medicine, v. 18, n. 4, p. 268-280, 1994.

BRANCH, J. David. Effect of creatine supplementation on body composition and performance: a meta-analysis. International journal of sport nutrition and exercise metabolism, v. 13, n. 2, p. 198-226, 2003.

BRASIL, Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Resolução de Diretoria Colegiada – RDC nº18, de 27 de abril de 2010. Dispõe sobre alimentos para atletas. Diário Oficial União. 28 abr. 2010.

BROSNAN, Margaret E; BROSNAN, John T. The role of dietary creatine. Amino acids, v. 48, n. 8, p. 1785-1791, 2016.

BUTTS, Jessica; JACOBS, Bret; SILVIS, Matthew. Creatine use in sports. Sports health, v. 10, n. 1, p. 31-34, 2018.

CASSIANO, Leandro Colombo; FEITOSA. Faisson Luís Leal; LAGO, Victor Jorge; JUNIOR, Silvio Almeida; MANIGLIA, Fabiola Pansani; FRANCO, Gabriel Silveira. O uso de creatina monohidratada e o possível compromentimento na disfunção renal: revisão narrativa. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 13, n. 8, p. 1-8, 2021.

COOPER, Robert; NECLEIRO, Fernando; ALLGROVE, Judith; JIMENEZ, Alfonso. Creatine supplementation with specific view to exercise/sports performance: an update. Journal of the International Society of Sports Nutrition, v. 9, n. 1, p. 1-11, 2012.

DE MORAES BERTUZZI, Rômulo Cássio; SOUZA, Eduardo Rumenig. Resposta cinética do consumo de oxigênio: relação entre metabolismo aeróbio e atp-cp. Arquivos em Movimento, v. 5, n. 1, p. 99-118, 2009.

DE SALLES PAINELLI, Vítor; ALVES, Victor Tavares; UGRINOWITSCH, Carlos; BENATTI, Fabiana Braga; ARTIOLI, Guilherme Giannini; JUNIOR LANCHA, Antonio Herbert; GUALANO, Bruno; ROSCHEL, Hamilton. Creatine supplementation prevents acute strength loss induced by concurrent exercise. European journal of applied physiology, v. 114, n. 8, p. 1749-1755, 2014.

DUARTE, Jonatas Deivyson Reis Da Silva; KOMMERS, Michelle Jalousie; ABRAHÃO, Ariel Arnon de Oliveira; CLAUDINO, Talita Xavier. ; FETT, Waléria Christiane Rezende; FETT, Carlos Alexandre. O efeito da suplementação de creatina na frequência cardíaca e a pressão arterial no combate simulado do jiu-jitsu. In: III Encontro Científico do Programa de Pós-Graduação em Ciências em Saúde UFMT/Sinop, 2021, Sinop. Anais III Encontro Científico do Programa de Pós-Graduação em Ciências em Saúde UFMT/Sinop, 2021. v. 3. p. 13-13.

FRANCAUX, Marc; POORTMANS, Jacques R. Side effects of creatine supplementation in athletes. International journal of sports physiology and performance, v. 1, n. 4, p. 311-323, 2006.

GAO, Yi Qin; YANG, Wei; KARPLUS, Martin. A structure-based model for the synthesis and hydrolysis of ATP by F1-ATPase. Cell, v. 123, n. 2, p. 195-205, 2005.

GREENHAFF, Paul L. The nutritional biochemistry of creatine. The Journal of Nutritional Biochemistry, v. 8, n. 11, p. 610-618, 1997.

HALL, Matthew; TROJIAN, Thomas H. Creatine supplementation. Current sports medicine reports, v. 12, n. 4, p. 240-244, 2013.

HARRIS, Roger C; SÖDERLUND, Karin; HULTMAN, Eric. Elevation of creatine in resting and exercised muscle of normal subjects by creatine supplementation. Clinical science, v. 83, n. 3, p. 367-374, 1992.

HAVENETIDIS, Konstantinos. The use of creatine supplements in the military. BMJ Military Health, v. 162, n. 4, p. 242-248, 2016.

JAGIM, Andrew R; STECKER, Richard A; HARTY, Patrick S; ERICKSON, Jaacob L; KERKSICK, Chad, M.. Safety of creatine supplementation in active adolescents and youth: A brief review. Frontiers in nutrition, v. 5, p. 1-13, 2018.

PERALTA, J; AMANCIO, O. M. S. A creatina como suplemento ergogênico para atletas. Revista de Nutrição, v. 15, n. 1, p. 1415-5273, 2002.

PERÓN, Alessandra Paula de Oliveira Nunes; DA SILVA GARCIA, Luciana; ALVAREZ, Juan Francisco Garcia; FILHO, Waldir Zampronha; DA SILVA, Alex Wilson. Perfil nutricional de boxeadores olímpicos e avaliação do impacto da intervenção nutricional no ajuste de peso para as categorias de lutas. O Mundo da Saúde, v. 33, n. 3, p. 352-357, 2009.

RICCI, Tony; FORBES, Scott C; CANDOW, Darren G. Creatine supplementation: practical strategies and considerations for mixed martial arts. Journal of Exercise and Nutrition, v. 3, n. 1, p. 1-10, 2020.

SAHLIN, Kent; HARRIS, Roger C. The creatine kinase reaction: a simple reaction with functional complexity. Amino acids, v. 40, n. 5, p. 1363-1367, 2011.

SARSHIN, Amir; FALLAHI, Vahid; FORBES, Scott C; RAHIMI, Alireza; KOOZEHCHIAN, Majid S; CANDOW, Darren G; KAVIANI, Mojtaba; KHALIFEH, Seyed Nemat; ABSOKKAHI, Vahid; NARI, Alireza. Short-term co-ingestion of creatine and sodium bicarbonate improves anaerobic performance in trained taekwondo athletes. Journal of the International Society of Sports Nutrition, v. 18, n. 1, p. 1-9, 2021.

SILVA, Alexandre de Souza; PERTILLE, Adriana; BARBOSA, Carolina Gabriela Reis; DE OLIVEIRA SILVA, Jaeile Aparecida; DE JESUS, Diego Vilela; RIBEIRO, Anna Gabriela Silva Viela; BAGANHA, Ronaldo Júlio; DE OLIVEIRA, José Jonas. Effects of creatine supplementation on renal function: a systematic review and meta-analysis. Journal of Renal Nutrition, v. 29, n. 6, p. 480-489, 2019.

STERKOWICZ, Stanislaw; TYKA, Anna K; CHWASTOWSKI, Michal; STERKOWICZ-PRZYBYCIEN, Katarzyna; TYKA, Aleksander; KLYS, Artur. The effects of training and creatine malate supplementation during preparation period on physical capacity and special fitness in judo contestants. Journal of the International Society of Sports Nutrition, v. 9, n. 1, p. 1-8, 2012.

VAN CUTSEM, Jeroen; ROELANDS, Bart; PLUYM, Bert; TASSIGNON, Bruno; VERSCHUEREN, Jo; DE PAUW, Kevin; MEEUSEN, Romain. Can creatine combat the mental fatigue-associated decrease in visuomotor skills. Med. Sci. Sports Exerc, v. 52, p. 120-130, 2020.

foto printJonatas Deivyson Reis Da Silva Duarte

Profissional de Educação Física – Bacharelado.

Mestrando em Ciências da Saúde pelo Programa de Pós-graduação em Medicina da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Estagiário da Academia de Policia Militar do Costa Verde (APMCV).

Possui experiência como atleta amador de kickboxing e em pesquisas de psicologia do esporte e nutrição com modalidades esportivas de combate.

ORCID: https://orcid.org/0000-0001-9938-6043

Lattes: http://lattes.cnpq.br/1715413441907784

E-mail: jonatas00013@hotmail.com

foto print 1Almir de França Ferraz

Especialização em Educação Física pela Academia Policial do Guatupê (APG)

Mestre em Educação Física e PHd em Educação Física pela Universidade Sao Judas Tadeu (UJT)

Professor da Faculdade de Tecnologia do Ipê (FAIPE), Cuiabá- Mato Grosso

Comandante da Academia de Polícia Militar do Costa Verde (APMCV)

Diretor do Centro de Desenvolvimento e Pesquisa (CDP) da Polícia de Mato Grosso

ORCID: https://orcid.org/0000-0002-9488-7460

Lattes: http://lattes.cnpq.br/5088355666901691

print1

Para participar do projeto, basta entrar em contato através do e-mail abaixo e, seguindo as diretrizes especificadas, enviar o seu artigo. Não perca essa oportunidade!

CONTATO > especialista@bkpoficial.tatame.com.br
DIRETRIZES DO PROJETO > clique aqui

Stéfane Dias: PhD em Treinamento Desportivo – Rússia e Professor da Keiser University – USA / E-mail: mestraoatt@hotmail.com/ Instagram: https://www.instagram.com/dr.stefanedias/

Everton Bittar Oliveira: Especialista em Treinamento Desportivo e Preparador Físico da American
Top Team / E-mail: vvxtreme@gmail.com/ Instagram: https://www.instagram.com/evertonvvoliveira/

Carlos Alves: Mestre em Treinamento Desportivo e Preparador de Atletas / E-mail: contato.edufisica@hotmail.com/ Instagram: https://www.instagram.com/coach_carlosalves/

Fábio Vieira: PhD em Ciências do Movimento Humano e Professor da Universidade Brasil / E-mail: fabio.vieira@hotmail.com/ Instagram: https://www.instagram.com/fabiosfvieira/

Diego Lacerda: Mestre em Treinamento Desportivo – Rússia / E-mail: diegocslacerda@gmail.com/ Instagram: https://www.instagram.com/diegolacerdatkd/

Pavel Pashkin: Mestre em Treinamento Desportivo e Treinador Profissional de Sambo – Rússia / E-mail: fitsambo@yandex.ru/ Instagram: https://www.instagram.com/pashkinpavel 

Para conferir mais artigos sobre saúde, artes marciais e creatina, clique aqui

 

 

Publicidade
Publicidade